quinta-feira, 19 de maio de 2011

CONTOS DO FARRAZINE

O Poeta - Marcelo Soares do site Uarevaa





Ficava ali sentado, olhos atentos para o nada, fixos em lugar nenhum. Na mão direita o cigarro queima erguendo uma fumaça que gera imagens só percebidas por ele. Na boca a secura provocada pelo vicio, o vicio da água de chuva destilada que não toca os seus lábios há algumas horas.

Os papéis sobre a mesa a sua frente mostram os seus poemas, delírios de uma mente há muito tempo desconectada dessa realidade. Junções de palavras desprezadas pelos que ali passam. “Sem graça”, “não tem sentido”, “pseudo-poeta”, dizem as vozes quando se retiram de perto do homem sentado com olhar fixo. Ele sabe o que falam, não dá ouvidos ou a mente nem processa mais. Aquelas letras reunidas são um escape, um portal para seus pensamentos, seus desejos.

O cigarro se apaga em seus dedos, o movimento de seres fantasmas ao redor cessa. Seus olhos pesam, um vento leve que chega vindo de um além qualquer leva os papéis ao chão. O homem por trás da poesia era levado também.

Os olhos dele se fecham enquanto o cigarro cai de sua mão e a respiração lentamente desaparece, tudo junto com a ida de seu queixo de encontro ao seu peito. Sua poesia suspende-se no ar, levada pela brisa. O poeta, enfim, transporta-se para sua realidade.


Texto publicado no Farrazine #17 que você pode ver online aqui ou baixar aqui

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | coupon codes